Acanac: Bispos relembram o importante papel que cada um tem na melhoria do mundo

Quatro marcantes eucaristias encheram hoje os vários espaços do campo do 23.º Acanac. Desde a Arena do Futuro ao Porto de Abrigo, inundando ainda as arenas da 1.ª e da 2.ª secções, a Palavra de Deus transmitida pelos sucessores dos apóstolos convidados chegou aos cerca de 22.000 escuteiros presentes.

A Eucaristia da 1.ª secção foi presidida pelo Arcebispo de Évora, D. José Alves, que começou a celebração por mencionar o quão contente ficou com este convite. A cerimónia foi também um símbolo de inclusão, ao ser traduzida em linguagem gestual para os lobitos que pertencem ao campo dos Eco-heróis. O Arcebispo teve sempre o cuidado de falar numa linguagem percetível aos mais pequenos e explicou-lhes o Evangelho como se fosse uma história. Desafiou os lobitos a se “transfigurarem” como Jesus, tal como aconteceu com os pastorinhos depois das Aparições de Nossa Senhora em Fátima. Aproveitou também a oportunidade para os aconselhar a libertarem-se dos maus pensamentos e más ações “ouvindo a voz da Aquelá, ouvindo a voz de Jesus”, disse. Acrescentou ainda que “somos convidados a escutar a voz de Deus para que a nossa vida se transforme, com boas ações uns pelos outros, em mais bonita, melhor”.

20170805_NP_MISSA-LOBITOS_03.jpg

A Árvore da Vida foi palco da Eucaristia da 2.ª Secção, presidida pelo Bispo de Portalegre e Castelo-Branco, D. Antonino Dias, que deixou um apelo aos jovens para melhorar e salvar o mundo, hoje tão cheio de caminhos de tristeza, marcados por guerras, sofrimento e desrespeito entre povos. “Os nossos olhos e o nosso coração sentem-se tristes”, recordou D. Antonino Dias, referindo-se aos cenários de destruição atuais que se vivem no mundo, e acrescenta “por causa do descuido e da indiferença de todos nós, humanos”. Explica-nos que, aqui, estamos com a missão de cuidar este mundo, pois Deus confiou-nos a glória, o poder e o reino, esta nossa Casa Comum. “Não somos como os animais ou plantas, não vimos do mar e da terra, mas vimos do céu, de Deus, tal como Jesus veio. E a sua vida foi de serviço, respeito e amor a todos sem exceção. É assim que devemos cumprir a nossa missão, porque a lógica do coração do homem é oposto à crueldade das feras”, como remata D. Antonino. E, por isso, somos nós os responsáveis pela nossa casa. E só nós podemos abraçar o futuro dela.

20170731_rp_dedicacao_capela_0062.jpg

Para o mar azul que se instalou na Arena do Futuro, o cântico de entrada apelou desde logo a darmos aquilo que todos temos de melhor. A partir do altar criado conjuntamente por todas as comunidades da 3.ª Secção, o Bispo Auxiliar de Lisboa, D. José Traquina, saudou os pioneiros presentes e todos pediram “perdão por aquilo que cada um fez de menos bem nesta grande atividade”. Após a leitura do Evangelho da Festa da Transfiguração de Cristo, frisou que “somos convidados a escutar o filho de Deus como quem escuta a um amigo”, levando-nos assim a “fazer bons discernimentos, tomar boas decisões e a orientar”. Por fim, renegou à “ilusão, ao conformismo, às vidas inúteis e aos desequilíbrios sociais”, pedindo a “verdade, a sensibilidade, a justiça e a fraternidade”.

20170805_jm_missa_pioneiros_1900.jpg

Na margem da Barragem Marechal Craveiro Lopes, os Caminheiros escutaram um apelo a deixarem “um rasto de luz com a sua vida”. D. Joaquim Mendes lembra que só o conseguirão “se optarem por uma atitude marcada pela bondade, justiça e pela verdade”. O Presidente da Comissão Episcopal Laicado e Família recordou aos escuteiros ali presentes, que “foram criados para a vida, para a ressurreição”, mas este projeto de vida só será possível se se deixarem transformar por Cristo”.

20170805_DM_Missa_Caminheiros_0022

Com o tema da mudança pessoal transversal às quatro Eucaristias campais, os presentes levaram consigo o relembrar do convite especial que, como escuteiros, lhes é feito todos os dias. O convite que Baden-Powell lançou a cada um de nós: deixar o mundo melhor que o encontramos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Texto: Ana Mano (com Ana Marcelo, Bruna Coelho e Henrique Matos)
Fotos: Joana Moreira, Nuno Perestrelo e Diogo Marcelo

Anúncios

2 thoughts on “Acanac: Bispos relembram o importante papel que cada um tem na melhoria do mundo

  1. É com muita pena que observo a árvore dominante do Campus ser o eucalipto (?). Ao chefe do Campus o meu alerta! Ponderem o sobreiro, melhor sombra, melhor equilíbrio com os recursos naturais, melhor rendimento, pois, de dois em dois ACANAC, poderão obter um rendimento extra com a venda da cortiça, ou usem-na na cobertura dos abrigos – a temperatura vai baixar no verão! Será um “grande abraço ao futuro “, com um sempre Alerta, albano fonseca

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s