#AUTONOMIA

au·to·no·mi·a

  1. Independência.
  2. Liberdade moral ou intelectual.
  3. Distância que se pode percorrer ou tempo que se pode permanecer em funcionamento sem necessidade de reabastecimento.

#ROVER_no_ACANAC2017

# 3 DIAS EM AUTONOMIA

Como já sabem, no campo da IV do ACANAC, queremos proporcionar-vos/nos a vivência de um verdadeiro Rover!

Pretendemos proporcionar-vos a experiência do caminheiro «sertanejo» que vive em completa harmonia com o ar livre e caminha em autonomia total. Assim, após a cerimónia de abertura do ACANAC, irão partir para três dias de caminhada durante os quais tudo o que precisarem será transportado nas vossas mochilas, sem reabastecimentos. Vai ser uma experiência despojamento, de forma a que levem só o essencial para o caminho, tendo a vivência real do que é ser caminheiro/companheiro!

Bem sabemos que têm muita experiência de caminhadas em autonomia durante mais de três dias, mas para que se preparem para o caminho, deixamos-vos algumas dicas.

Bloco2

# A TUA MOCHILA

Saber arrumar bem uma mochila e tê-la perfeitamente ajustada ao corpo é fundamental! Numa caminhada, a mochila faz parte de nós e é nela que carregamos tudo o necessário para garantir conforto e segurança. Não há nada pior que horas intermináveis sentindo o material mal arrumado ou ajustado, espetando as costas ou causando desequilíbrio durante uma caminhada.

Arrumar a mochila

  • Enrolar as roupas – dobrar e enrolar uma a uma.
  • Guardar tudo dentro de sacos plásticos – serve para manter materiais secos contra líquidos de dentro e fora da mochila, separar em embalagens menores em vez de usar um grande saco para tudo.
  • Preencher os cantos – a mochila deve idealmente ficar totalmente esticada, os materiais a transportar deveram preencher todos os espaços. Ao arrumar a mochila é fundamental verificar o lado de fora para verificar se alguma parte do tecido está frouxa.
  • Distribuição do peso – como o terreno é maioritariamente plano, o centro de gravidade da mochila deve ser no meio das costas e próximo das mesmas. O saco de cama e as roupas, por exemplo, podem ficar no fundo da mochila ou naquele compartimento separado do resto (evitando colocar nessa parte, materiais que possam partir). O peso ideal da mochila não deve ultrapassar 1/3 do peso do seu utilizador.
  • Tenda – dividir em duas e colocar uma parte cada lado da mochila.
  • Coisas que devem estar à mão – comida de absorção rápida, água, impermeável, lanterna, canivete, além de outras coisas que se usam com muita frequência e em momentos que, geralmente, não temos muito tempo a perder.

Ajustar a mochila

  • As mochilas de caminhada possuem um cinto acolchoado, que proporciona um conforto maior e conseguem transferir para os quadris entre 80% e 90% do peso total. A mochila ideal deverá ter o comprimento do tronco, do pescoço até o quadril. O meio do cinto deve estar sobre os ossos da bacia e não acima, de forma que o peso fique no cinto e não nos ombros.
  • A mochila deve ser ajustada quando já estiver cheia e arrumada.
  • Colocar a mochila nas costas com as fitas frouxas, ajustar a distância entre o ombro e o cinto (a maior parte das mochilas permitem este ajuste), colocar e apertar o cinto.
  • Caso a mochila tenha tiras no cinto apertar as mesmas, fazendo com que a parte inferior da mochila fique o mais próximo possível do corpo.
  • Ajustar as tiras das alças, que ficam em cima próximo ao ombro. Estas alças servem para trazer o peso da mochila e seu centro de gravidade para o mais próximo possível do corpo.

 #PREVENÇÃO DOS ACIDENTES

A caminhada na região de Idanha implica alguns riscos e é imprescindível sensibilizar-vos para prevenir acidentes e socorrer se necessário!

É tempo de insolações e golpes de calor, desidratação e escorpiões, cortes e arranhões, dores de barriga e coisas estranhas… Sabem o que fazer? Ficam algumas dicas!

Em primeiro lugar adequar a farmácia individual (aquela que cada escuteiro deve ter) ao tipo de atividade que se vai fazer – a soma do todo é maior do que a soma das partes. Para a caminhada em autonomia com certeza não querem levar a farmácia numa mala rígida às costas. Bolsas pequenas e práticas equipadas com soro fisiológico, compressas esterilizadas, iodopovidona, ligaduras, tesoura, adesivo, gelo descartável, pomadas analgésicas, termómetro, luvas, manta térmica e etc… devem fazer parte do material individual de cada um, à semelhança do saco cama e lanterna!

Se está calor, o risco de insolação ou golpe de calor é grande, é fundamental usar chapéu, idealmente de abas largas – o de B.P. é 5*. Não é cool usar chapéu? Paciência, é mais complicada a insolação! É chato usar protetor solar?! É mais desagradável andar depois a queixar-se de desconforto por queimadura.

É importante beber água, e não sumos ou outro tipo de bebidas, isto é fator de proteção contra a desidratação. Três litros diários em esforço são essenciais, mas claro que não os vais transportar às costas sendo determinante abastecer de água sempre que a encontrem.

Se estiveres perante um acidente, algo inevitável, então deves saber atuar. Como? O que sabes fazer? Sentes te à vontade para realizar determinados procedimentos?

Aqui ficam algumas dicas para quando fores confrontado com uma situação de emergência e/ou acidente:

  • Para e acalma-te. Não entres em pânico;
  • Pensa sobre o problema e traçar um plano de ação;
  • Define alguém que coloque o plano em curso;
  • Observa a situação e avalia periodicamente a vítima;
  • Dar todas as informações a quem está a socorrer.
  • Procura ajuda mas não esqueças: o socorro não chega até nós se não soubermos exatamente por onde andamos…

Toma decisões! Seguras, conscientes da situação, tendo sempre em conta o melhor para quem sofreu o acidente e para o grupo. Be Prepared!

Adaptado de:
https://www.priberam.pt/dlpo/autonomia
https://trilhaserumos.com.br/dicas-roteiros/dicas_de_uso/como-arrumar-e-regular-sua-mochila/